April 25, 2017

March 9, 2017

Please reload

Posts Recentes

Prosperidade no Aprendizado - Curso Presencial

February 23, 2018

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

Esticando o elástico da mente

May 7, 2017

 

 

Quando estudamos com profundidade determinado assunto, é comum ficarmos confusos e com dúvidas em relação a algumas partes.

 

O mais importante é não entrar em desespero ou desistir. Estudos mostram que a confusão é parte do aprendizado. Neste momento foi criado uma dissonância cognitiva.

 

Uma considerável quantidade de estudantes costumam desistir quando isso acontece, pois se julgam incapazes de aprender. Fato gerado por diversos fatores como bloqueios psicológicos, paradigmas ou crenças limitantes, comodismo, auto sabotagem e outros.

 

Me recordo de ter ouvido muitas vezes na minha vida, na família, na escola e em outros grupos que participei, pessoas dizendo que fulano ou beltrano não conseguiam aprender. Comentários como: eles não aprendem, alguns são assim mesmo. E o pior, esses seres incorporaram essas crenças e carregaram isso pela vida, com fracassos em cima de fracassos. Conheço algumas pessoas assim e tenho certeza que vocês também devem conhecer.

 

Volto a repetir que a confusão faz parte do aprendizado. Se você ao estudar um tema ficou confuso em alguma parte deste estudo, é sinal que está no processo de transformar a confusão em saber, é só passar por esta etapa.

 

No texto “provocar a mente sintoniza a informação”, sobre a história da descoberta da tabela periódica de Mendeleev, é exatamente isto que ocorreu.

 

Ele estudou as características dos elementos químicos profundamente, mas não havia encontrado até um determinado momento a solução para a organização mais eficaz das informações dos elementos e com isso não estava satisfeito com a classificação que fizera até então, ou seja estava no momento da confusão, ou dissonância.

 

Neste momento, foi criada a tensão na mente. Por favor, não confundir com colocar o foco no problema e o bloquear.

 

A tensão na mente pode ser comparada com esticar um elástico. Você cria a tensão e no momento de relaxamento, ele volta para o lugar de equilíbrio.

 

Quando o estudo está na fase de confusão, e quero aqui ressaltar que é uma etapa, está muito próximo de se tornar um saber, basta persistir. Neste momento, se o desgaste for grande, pare e vá fazer outra coisa, relaxar, escutar uma música, caminhar, meditar. É bem provável que a solução venha à tona. Se não vier, recomece, aprofunde mais, estique o elástico, mas faça isso em outra hora.

 

Esticar o elástico mental é o ato de provocar a mente. Ela vai procurar o equilíbrio.

 

Alexandre Felske

Equipe Hélio Couto

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Procurar por tags
Please reload

Arquivo